quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

Terceira matéria do Sergio Buccini

Amigos,

Tenho o prazer de publicar aqui mais uma matéria do amigo Sergio Buccini.
Desta vez, ele fala sobre a importância do Luthier e, entre outras coisas, convida à reflexão aqueles que ainda consideram este profissional como "um mal necessário" e coisas do gênero.

Aproveitem!

Abraços,
Michel





Pra que Luthier? A gente explica.

O oficio de Luthier vem de há muito, na verdade, desde que o homem começou a se interessar em fazer música. Alguém precisava criar e cuidar destes instrumentos e, infelizmente, não fomos nós, Luthiers brasileiros, que inventamos ou iniciamos a profissão... Apenas damos continuidade ao processo, a esta nobre arte, tratando com respeito, escrúpulo, dedicação e, acima de tudo, extrema honestidade aos que procuram nosso conhecimento e mão de obra.

Seja da maneira que for, é impossível tornar-se um verdadeiro Luthier em apenas alguns meses, mesmo que por decreto ou simples passe de mágica... São precisos muitos anos de trabalho árduo ininterruptos, dom e paciência para se dominar a complexidade das ciências que englobam a arte da Lutheria - empenho digno de todo respeito, o que qualquer outra profissão merece por parte de todos. Eu mesmo peguei pesado oito horas por dia na minha primeira oficina laboratório durante cinco anos antes de pôr a mão oficialmente no instrumento do primeiro cliente.

Pessoalmente, recebo clientes por indicação porque acredito que o melhor marketing ainda é o trabalho bem feito que satisfaz o cliente, que, por sua vez, traz um outro e assim por diante. Quando alguém recorre aos meus serviços de profissional, analiso o instrumento, digo o que precisa ser feito, dou orçamento - sem compromisso - e estimo em quanto tempo o instrumento será devolvido.

Cada caso se difere do outro em função de evidentes peculiaridades individuais, ou seja, não existe uma única receita com preço fixo para todas as situações. E, quando se deseja fazer um trabalho bem feito, é preciso, além de tempo suficiente, alertar o cliente sobre esta verdade. Depois de pronto, no ato da entrega, forneço todas as explicações técnicas necessárias sobre o serviço executado, sendo todo este procedimento de suporte cercado de muito respeito pelo cliente e seu instrumento. Afinal, as pessoas que confiam no nosso trabalho necessitam e merecem saber pelo que estão pagando.

Importante

Convém lembrar que nossos preços no Brasil equivalem a menos da metade dos sugeridos pela tabela internacional cobrados em outros paises, embora a qualidade do serviço precise ser exatamente a mesma ou até melhor, porque os instrumentos, muito mais caros para nós brasileiros, são os mesmos comercializados no exterior.

Certeza do melhor

Não costumo sugerir serviços de que o cliente não precise. Continuo convicto afirmando que, num país de clima tropical como o Brasil, é recomendável uma revisão geral a cada quatro meses, no mínimo. Isto pra quem deseja, de fato, garantir bons resultados e longevidade para o instrumento.

Não podemos e não devemos obrigar ninguém a seguir recomendações, mas como diz o ditado: "Quem Ama, cuida!"
E esta grande verdade também não foi criada por nós, Luthiers brasileiros. São conselhos gratuitos, orientações sinceras, que servem para quem realmente respeita o instrumento que tem - seja guitarra, contrabaixo ou violão.

Indignação

Depois de duas décadas trabalhando com firme propósito em busca dos melhores resultados, acumulando experiência construindo e consertando instrumentos, escrevendo para revistas especializadas, ainda nos vemos com sérias dificuldades para explicar a importância de nossa atividade profissional.

O que de fato impede algumas pessoas de procurarem um Luthier?
O instrumento fica mesmo muito melhor depois que passa pelo profissional? Afinal para que servem os Luthiers?

Para carros e motos existem mecânicos; para o ensino, grandes professores; para a saúde, os médicos; para os dentes, os dentistas, etc, etc, etc. Então, por que não Luthiers para os instrumentos?

Até quando persistirá esta resistência ilógica e injustificável que afasta as pessoas de um convívio mais eficaz com a música e seus instrumentos?

Um instrumento bem preparado é uma ferramenta útil que facilita o estudo, assim como o desempenho do bom profissional. E o Luthier não é inimigo, é o amigo, o tutor do instrumento que tanto se ama, uma pessoa que deve inspirar confiança.

Depois de algum tempo pesquisando pela Internet, lamento que ainda haja uma minoria desinformada, ou talvez mal orientada, que infelizmente ainda comenta sobre nossa categoria como se fosse um “mal necessário”! Ou pior, um mal a ser evitado. Quero estar enganado, mas ao menos é essa a impressão que fica.

Muitos de nós, profissionais, já fomos vitimas dos efeitos e reflexos desta injustiça, sem saber porquê, talvez algumas vezes pelo simples fato de nos recusarmos a executar trabalhos que estariam em desacordo com a ética profissional. Aliás, ao meu ver, ética e respeito são qualidades do bom caráter de qualquer pessoa.

O que precisa ser lembrado aqui é: se não fosse pelo arrojo e iniciativa de bons Luthiers, as fábricas mais famosas do mundo não teriam surgido. De onde se originaram os nomes estampados nos heads dos instrumentos... Não seriam, por acaso, os sobrenomes dos Luthiers?

Aconselho: escolha inteligentemente suas fontes de informações e, na compra de um bom instrumento, inclua sempre o nome de um bom Professor para acompanhar seus estudos e de um bom Luthier para manter seu instrumento, porque só assim a coisa funciona como deve. Não há outro caminho.

Defendendo

Considerando ideais e metodologias de cada um, preciso deixar bem claro aqui que defendo o respeito merecido por todos os Luthiers de carreira, responsáveis, profissionais sérios e dedicados, experientes e sem preconceitos, que, assim como eu, de origem simples e trabalhadora, estudam e se aprimoram dia após dia. Sustentam família, sacrificam vida pessoal pela causa e ajudam quem carece com o esforço de um trabalho limpo, honesto, sem fantasias, estrelismo, brincadeiras ou discursos convenientes! Somos parte integrante de todo o processo sério que envolve o mundo da cultura musical, e nossas oficinas representam nosso ganha-pão!

Destaco também a importância fundamental de nossos bons, valorosos e fiéis clientes, que acreditam no nosso trabalho, põem fé em nossa palavra, confiam e seguem de livre vontade nossas recomendações e orientações técnicas e ainda indicam nosso serviço. Gente do bem, entre profissionais e amadores, que ama tocar seus instrumentos, e merece nosso eterno respeito, gratidão e consideração. O que seria de nós sem a recíproca?

Tudo na vida se resume numa parceria saudável e inteligente, precisamos ser mais irmãos e menos indivíduos para poder evoluir! Tive sorte em receber uma boa educação, e gosto de usá-la. Por isso, mantenho meu compromisso com a ética.

Entendo claramente que estamos todos aprendendo e enquanto não nos compreendermos, respeitarmos e nos unirmos com o único e inabalável propósito de enobrecer nosso meio, continuaremos batendo cabeça, idolatrando uma atmosfera surreal e vivendo eternamente na sombra do mercado exterior. Não por falta de competência, mas por absoluta ausência de solidariedade e vontade de mudar.

Como gostaríamos de que fosse nosso futuro? Nosso futuro depende do agora, portanto, é hora de refletir!

SERGIO BUCCINI
email: sergiobuccini@gmail.com

3 comentários:

Ricardo disse...

Exatamente por indicação de Michel Leme (na época era seu aluno nos idos de 1996) conheci o trabalho do Sérgio e desde então, a cada serviço prestado por esse mestre fico cada vez mais certo de que essa profissão é de suma importância para quem pretende executar sua musica usufruindo do que de melhor o instrumento possa ofercer.
Obrigado ao Michel por ter me indicado o Sérgio e ao Sergio por ser esse profissinal de padrão internacional (dos mais altos por sinal) e para nossa sorte bem próximo a nós

Artur disse...

Muito bom texto Michel e Sergio, uma pena realmente que no Brasil não se daá o devido valor a quase nada que aqui se faz, tudo de fora é melhor.
Gostaria realmente de poder conhecer de perto o trabalho do Sergio, mas como resido em Curitiba/PR fia díficil.
Mas continue assim Sergio, pois quanto mais as pessoas conhecerem profissionais como você mais essa arte irá crescer.

Abraços

Artur
Curitiba/PR

Paulinho disse...

É isso aí, dar o valor a qualquer forma de arte q envolva dedicaçao e competencia é um caminho saudável... já levei minha guitarra para o Sérgio atraves de indicação e já indiquei para outras pessoas também, gostei muito do serviço e em especial por ele explicar o passo a passo do serviço que ele terá de fazer em seu instrumento. atendimento fino.